4 de fev de 2013

Alguns casos envolvendo os M.I.B (Homens de Preto)


O CASO HAROLD DAH:

O senhor Dalh vinha em sua embarcação com mais dois tripulantes e seu filho de 15 anos próximo a Tacoma, (paralelo ao Estado de Washington) quando avistou seis objetos a cerca de 600m de altura. Em determinado momento, um dos objetos se aproximou mais da água e despejou o que parecia ser uma espécie de material derretido, inclusive o mesmo chegou a atingir o braço de seu filho e supostamente matar um cachorro que também se encontrava na embarcação.

Quando os OVNI's desapareceram, Dahl conseguiu colher uma amostra do misterioso material jogado no mar, além de ter tirado quatro fotos dos objetos não identificados. Dahl entregou as fotos para seu superior, o senhor Fred L. Chrisman, juntas com os pedaços do material colhido no mar.



No dia seguinte do contato, um homem vestido de terno e chapéu pretos procurou Dahl em sua casa a fim de tratar de negócios. O tal homem de preto disse a Dahl onde estava hospedado e os dois marcaram um encontro. Ao chegarem no hotel, o homem o convidou para ir até um bar onde chegou a pedir um café. Dahl surpreendeu-se bastante quando, no meio da conversa o homem de preto começou a lhe relatar tudo o que havia acontecido na noite do avistamento.

No final da conversa o estranho homem o ameaçou dizendo que ele tinha presenciado algo por acaso e para o bem de Dahl e de sua família, seria melhor esquecer o ocorrido.
Para piorar a situação o avião que vinha trazendo as fotos e o material recolhido no mar se acidentou.


O CASO HERBERT HOPKINS:

O Dr. Hopkins era hipnólogo e estava trabalhando como consultor num caso ufológico, em 1976. Em um determinado dia o telefone chamou e o interlocutor se identificou como sendo o vice-presidente de um centro de pesquisas ufológicas de Nova Jersey.
O tal homem desejava abordar a respeito de um caso que estava pesquisando.
O Dr. Hopkins concordou em recebê-lo em casa e conversar com ele, mas para sua surpresa dentro de pouco tempo o homem já estava batendo à porta de sua residência.
Sua mulher e filha não se encontravam em casa e o Dr. Hopkins ficou só, à mercê daquele estranho personagem.

O tal homem trajava camisa branca, terno preto, sapatos e gravatas da mesma cor, luvas cinzas e um chapéu. Durante a conversa, fatos inusitados aconteceram. O homem de preto tirou seu chapéu mostrando uma careca de cor cadavérica, além de algumas vezes passar a mão pelos lábios e as luvas saírem manchadas e algo vermelho parecido com batom.

O Homem de Preto, ou "MIB" como muitos os chamam, o ordenou a apagar todas as gravações que havia feito com as testemunhas sob hipnose. O mais estranho da história ocorreu quando o MIB pegou uma moeda numa das mesas da casa e a desmaterializou nas mãos, perante os assustados olhos do Dr. Hopkins. Completou ainda com a ameaça de que, se não parasse com as pesquisas ufológicas, o mesmo aconteceria com seu coração.

Profundamente aterrorizado, consta que o Dr. Hopkins obedeceu tudo, exatamente como foi ordenado e apagou todas as fitas que continham os depoimentos das testemunhas sob hipnose e se afastou do caso de estava pesquisando.

O mais estranho foi que a filha e a mulher do Dr. Hopkins confirmaram ainda marcas de passagem de carro na estrada próxima e uma série de distúrbios telefônicos que começaram a ocorrer logo depois da visita do MIB.




Ainda na década de 1950, o pesquisador Frank Scully publicou um livro chamado Behind the Fliyng Saucer. Neste livro ele narra todo o Caso Aztec, onde uma nave extraterrestre teria caído na cidade de Aztec, Novo México, em 25 de março de 1948. O que ocorreu depois da publicação desse livro ainda deixa muita gente de cabelo em pé. Foi deflagrada pelo governo uma campanha contra a credibilidade da história e até contra a dos pesquisadores envolvidos que, além de Scully, incluía o geofísico Silas Newton e o cientista Leo Arnold Gebauer.



A USAF e a CIA desenvolveram uma manobra de desinformação e acobertamento tão grande que simplesmente acabaram com a vida dos três pesquisadores. Eles foram processados e desmoralizados publicamente e suas vidas acadêmicas manchadas para sempre, mas o pior de tudo ainda estava por vir.

Consta que Nicholas Von Poppen havia sido contratado para tirar fotografias do UFO caído e dos tripulantes mortos. Aceitando o segredo que o impuseram sobre o assunto, Poppen ficou calado durante vários anos, até que um dia resolveu contar tudo para seu amigo George C. Tyler.

Enquanto estava no hospital, pessoas que pareciam agentes do governo (vestidos de terno preto e gravata) foram até sua casa e realizaram uma busca em todos os seus papeis e documentos.

Tyler morreu no hospital sem nunca ter recobrado a consciência e levando consigo a identidade do culpado pela sua morte. Vom Poppen não teve sorte melhor. Conta-se que os vizinhos escutaram barulhos de briga vindo de sua casa e mais tarde o encontraram desmaiado no chão do apartamento. No hospital, pessoas com identificações falsas entraram em seu escritório e levaram vários envelopes grandes, onde, supostamente, Poppen guardava as fotos do UFO de Aztec. Ele também morreu pouco depois de chegar ao hospital.




Um documento interessante, foi o chamado relatório Krill, disseminado no final da década de 80. De autoria de um suposto Dr. O.H. Krill e entitulado "Um relatório a respeito de nossa aquisição de tecnologia avançada e de nossa interação com a cultura alienígena", o relatório Krill faz extensas considerações sobre os M.I.B., incluindo descrições de relatos e sua ligação com uma civilização extraterrestre em Sírius.

Outro autor proeminente no assunto foi Timothy Green Beckley. Seus livros sobre os M.I.B. talvez não sejam as fontes mais confiáveis de informações, mas, de qualquer forma, ele oferece um relato mais detalhado de alguns incidentes e sugere que estes seres estariam ativos há séculos.
Por exemplo, ele cita a "misteriosa" origem do Selo dos Estados Unidos, que teria sido entregue a Thomas Jefferson, em uma noite em que este andava por seu jardim, por um homem vestindo uma capa preta. Beckley também é o autor de uma foto que seria a única existente de um M.I.B., flagrado em frente à casa de um editor de uma revista ufológica.



Apesar de todas as fraudes existentes sobre este assunto, devemos lembrar que existem muitos níveis de segurança acima do presidente do EUA, e ele não precisaria saber sobre esses programas. O governo norte-americano possui muitos segredos e provavelmente tão grandes e impressionantes quanto os relatos de extraterrestres.
Não seria de se espantar que a possibilidade de os avistamentos serem bem maiores e próximos do que a sociedade imagina dada a suposta coação exercida pelos Homens de Preto. Enfim, o mistério dos MIBs não acaba aqui e, na verdade, ele apenas começa mais uma vez, dando voltas  e mais voltas sobre si mesmo, mostrando-nos que a verdade é perigosa e se encontra muito mais longe do possamos imaginar.


Fonte: ABOrigine
Por: David Muniz