3 de fev de 2011

Esqueleto de 10 mil anos é tirado de caverna inundada no México




A ossada do "Jovem de Chan Hol" foi resgatada a 8,3 m de profundidade e é provavelmente a mais antiga já encontrada no continente
 
Foto: Reuters
Arqueólogos medem parte do esqueleto de uma criança em caverna submersa no México
O México finalmente retirou de uma caverna inundada um esqueleto de um jovem que teria vivido há mais de 10 mil anos, um dos mais antigos do continente, e que pode dar pistas sobre o povoamento da América, disse o Instituto Nacional de Antropologia e História (Inah) na terça-feira (25).
O "Jovem de Chan Hol", assim chamado pelo pouco desgaste no esmalte dos dentes (o que indica uma morte prematura) e pelo nome da caverna onde estava, havia sido encontrado há quatro anos, na península do Yucatán.
A ossada foi resgatada a 8,3 metros de profundidade, numa caverna à qual só se chega por meio de intrincados labirintos, também submersos e completamente escuros, segundo nota do Inah.
"Foi recolhido em 60 por cento na sua totalidade, com ossos representativos das quatro extremidades, vértebras, costelas e crânio, assim como vários dentes, o que para os antropólogos físicos é estupendo", disse o texto.

Foto: Reuters
Arqueólogo tira foto de esquelo de criança
"Quando se trata de exemplares de 10 mil anos, geralmente só se encontra o crânio ou a mandíbula, com sorte 20 ou 30 por cento da ossada", explicou o informe.
Os pesquisadores disseram que provavelmente se trata de um jovem do sexo masculino, que estava com as pernas flexionadas para a esquerda e os braços estendidos ao lado do corpo.
A descoberta, segundo os especialistas, fortalece a tese de que o continente americano foi povoado a partir de várias migrações oriundas da Ásia.
Outros três esqueletos --a Mulher de Naharon, a Mulher das Palmas e o Homem do Templo-- foram achados nos últimos anos em cavernas submersas próximas a Tulum, na região turística conhecida como Riviera Maia.
Essas ossadas "revelam migrações procedentes do Sudeste Asiático anteriores às conhecidas até agora como grupo Clovis, que teria cruzado pelo norte da Ásia, também pelo estreito de Bering, ao final da Era do Gelo", disse o paleobiólogo Arturo González.
O novo esqueleto, que continuará sendo submetido a estudos, foi descoberto em 2006 por um casal de espeleólogos alemães que faziam um reconhecimento na caverna de Chan Hol, expressão que significa "buraquinho" em maia.
FONTE: IG