16 de jan de 2011

Caso da Baleia

Representação do Disco Voador e dos tripulantes relatados no Caso Baleia


Caso de contato imediato ocorrido nas proximidades do Hospital da Baleia, em Belo Horizonte(MG), em 14 de setembro de 1967.

Artigo originalmente publicado no Boletim Especial  1975 da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV).


Descrição do caso 

Pesquisado meticulosa e detalhadamente pelo CICOANI, de Belo Horizonte, Minas Gerais, o Caso da Baleia constituiu um novo ângulo na série de contatos com extraterrestres dentro do território nacional. Em síntese é o seguinte:

Às 10h30m do dia 14 de setembro de 1967, o garoto Fabio J. Diniz, com 16 anos de idade na época, saltou no ponto final do ônibus Baleia, próximo ao hospital de mesmo nome. Daí dirigiu-se a pé para o pavilhão mais afastado daquele estabelecimento onde tentaria vender persianas metálicas. Subindo a alameda asfaltada, chegou à altura do campo de futebol onde encontrou um objeto enorme, em forma de cogumelo. Tinha uns 20 metros de diâmetro e era de cor marrom, com uma fileira de aberturas "semelhantes a vigias". Na sua base plana havia raias luminosas, de cores vermelha, amarela e azul, que piscavam intermitentemente.

TRIPULANTES

Fábio observava o aparelho quando, repentinamente, com leve e indefinível ruído desceu das bordas da cúpula até o solo um anteparo transparente, que lhe apareceu ser de vidro. Incrustado na base do objeto havia uma espécie de tambor ou cilindro preto, brilhante, com mais de 3 metrosde largura por 2 de altura e que formava a base da cúpula. Por uma abertura que surgiu no cilindro saíram dois seres de mais de 2 metros de altura. Tinham a forma humana, eram fortes e vestiam roupas colantes, da cabeça aos pés, de cor verde, semelhante à dos mergulhadores. Havia um anteparo saliente cobrindo a boca e as narinas. Da base desse anteparo saía um tubo que descia pelo peito, atingindo o calcanhar direito e subindo, por trás, até a nuca. os calcanhares eram intumescidos. Os dedos das mãos, embora cobertos pelo vestuário, pareciam ser grossos e sem número de quatro. Um dos tripulantes tinha uma antena na cabeça e o outro portava uma arma, ou coisa parecida.

Quando os estranhos seres apareceram Fábio tentou fugir e logo ouviu uma voz dizendo: "Não corra. Volte".

Então ele se aproximou do objeto, chegando a 5 metros dos dois homens. Observou que aquele que estava possivelmente armado deu uma volta completa em torno do cilindro, enquanto o outro, o da antena na cabeça, lhe dizia: "compareça aqui amanha, neste mesmo horário, do contrário levaremos sua família".

Em seguida entraram no aparelho. A abertura fechou-se, a cortina transparente recolheu-se e o aparelho decolou em vôo oblíquo, lentamente, subindo na vertical.

DILEMA

Aterrorizado o jovem voltou, correndo, para o ponto de ônibus, com a intenção de revelar à sua mãe a ameaça que a envolvia e que o angustiava. No interior do ônibus refletiu com mais calma e resolveu avisar a polícia, chegando ao Departamento de Vigilância Social, aproximadamente 45 minutos após o incidente.

Na manhã seguinte, pesquisadores do CICOANI acompanharam o garoto ao campo de futebol e ali, sob os vistas dos dois policiais civis e dois da Polícia Militar, recolheram amostras de terra com características estranhas. As amostras foram levadas ao Instituto Central de Geo-Ciências da Universidade Federal de Minas Gerais, sendo analisado pelo prof. Edmar de Melo e Araújo, que obteve o seguinte resultado:

Análise: Maiores constituintes: Ferro, alumínio, magnésio e sílica.

Elementos Traços: Cobre fósforo, zinco, cobalto, zircônio, níquel e titânio.


Fonte: Fenomenum