10 de nov de 2010

Céticos Obtêm a Primeira Foto do Pé Grande. (Sasquatch)

CALMA PESSOAL EU PROMETO QUE COLOCO O DOCUMENTÁRIO EM VIDEO SOBRE ESSE ASSUNTO. MAS EU ACHEI ESSE DOCUMENTÁRIO AQUI MUITO BOM, E RESOLVI COMPARTILHAR ELE. ENTÃO LOGO MAIS EU COLOCO O OUTRO POST SOBRE O MESMO. 

Geralmente, quando alguém aparece com uma foto do Pé grande, uma espécie de macaco gigante que anda ereto e é relatado e registrado em fotos e videos controversos se movendo entre as árvores das florestas do norte dos EUA e Canadá, ela é considerada uma mera curiosidade, quando não uma fraude deliberada.
Não é raro que as pessoas que surjam com fotos assim sejam totalmente crentes de que os pés grandes existem, afinal seria muito incoerente alguém fotografar uma criatura deste tipo e dizer que não acredita no que ela mesma registrou. Pois foi exatamente isso que aconteceu no caso que trataremos neste post.
Vamos começar mostrando a foto obtida:

20091210111253bigfoot12 Bizarro: Céticos obtêm a primeira foto do pé grande

E agora a história por trás dela: Tim Kedrowski e seus filhos instalaram em uma área de floresta, conhecida apenas por eles um sistema de câmera e sensor muito usado por cientistas para registrar a atividade animal em regiões remotas. No caso,a câmera é presa em uma árvore, apontada para alguma área aberta. A câmera possui um sensor infravermelho que capta movimento. Assim que o movimento é captado, a câmera dispara, registrando o que quer que tenha atravessado o campo do sensor. Graças a este engenhoso instrumento, os cientistas tem conseguido obter fotografias de animais difíceis de rastrear, e até descobrir que animais considerados extintos não estavam de fato extintos.
No caso em questão, Tim Kedrowski estava tentando obter fotos de cervos, pois possuem uma propriedade próxima à floresta e antes que a temporada de caça fosse liberada eles decidiram instalar o equipamento para saber que tipo de animal adentrava a propriedade. Ocorre que na posição de caçadores, Tim Kedrowski e seus filhos não acreditam em Pé grande, homem das neves ou qualquer coisa do tipo. Eles ficaram bastante desconcertados com o que viram nas fotos, e sem conseguir uma boa explicação, convocaram outros caçadores para opinar sobre o conteúdo da foto. Inicialmente levantou-se a hipótese de ser um Urso preto, andando de pé. Entretanto, esta hipótese foi afastada pois as dimensões dos braços e pernas não são compatíveis com as de um urso, além do que um urso preto não atinge a dimensão do animal registrado na foto (2,13 metros de altura). E nem anda de pé. Os ursos só ficam de pé em situações específicas como em caso de combate.
Alguns levantaram a hipótese de ser alguém fantasiado. Mas seria bastante incomum que alguém vestisse uma fantasia de macaco no meio de uma floresta, passando bem no local da instalação do dispositivo. Local que os próprios caçadores afirmaram, é do conhecimento apenas deles.
Ao se depararem com a estranha foto, os dois irmãos que instalaram a câmera pensaram se tratar de alguma piada de um com o outro, e somente quando eles caíram na real que nenhum dos dois havia pregado uma peça é que começaram a se interessar pelo que conseguiram registrar ali.
Quando os dois caçadores concluíram que não se tratava de um truque, saíram à campo em busca de respostas. Sua primeira atitude foi descobrir com os vizinhos e colegas de caça se houve algum caçador na região durante o período em que a câmera esteve instalada na floresta.
Eles então descobriram que além dos vizinhos da propriedade, dois caçadores idosos estiveram acampados nas proximidades no período. Aparentemente, nenhum dos dois viu nada que pudesse ser considerado como o “Pé grande”, mas escutaram um relato de um deles que teria saído da barraca para urinar e ouviu estranhos ruídos e guinchos que vieram da propriedade deles naquela noite. Segundo as testemunhas, eram duas horas da manhã quando eles começaram a escutar os barulhos.
Os próprios homens que obtiveram a foto não conseguem acreditar no caso e solicitaram que grupos privados especializados em caçar o pé grande estivessem na área fazendo uma varredura.
O caso ainda está em aberto, embora os homens que obtiveram a foto afirmem que não tem certeza absoluta de que isso não se trata de uma fraude. Don Sherman and Bob Olson, do Northern Minnesota Bigfoot Research Team se juntaram aos caçadores para investigar o caso. De imediato, Son Sherman disse que já catalogou relatos de avistamentos da criatura na região, chegando a obter cópias em gesso das enormes pegadas da suposta criatura. Embora os homens que tenham obtido a foto ainda desconfiem de que o caso é uma fraude ou erro de interpretação, Don Sherman acredita que é um belo registro de um Pé Grande adulto. Sherman estimou a altura da criatura em relação a um arbusto próximo a ela. Ele determinou que o animal é de cerca de 2,13 metros de altura, uma dimensão compatível com diversos relatos e avistamentos.
Pessoalmente, eu estou com os dois irmãos. Acho que se não é uma foto extraordinária do Pé grande, pode mesmo se tratar de uma fraude. Eu também não estou certo se os dois irmãos estão levantando estas hipóteses de que se trata de uma fraude para justamente dar ao caso um ar de realismo e idoneidade. Hoje o Pé grande está na mesma categoria de mistério que os Discos voadores. Dezenas de testemunhas alegam encontros com seres estranhos, filmes amadores diversos mostram criaturas grandes, parecidos com macacos e densamente peludos andando ao longe. Mas prova mesmo, que poderia ser obtida com um cadáver de Yeti (como uma criatura assemelhada a esta, vista por testemunhas nas gélidas cordilheiras do Imalaia durante a década de 20, foi chamada desde sempre e que posteriormente ganhou a alcunha de “abominável homem das neves” ) nunca apareceu.
Os criptozoologistas que investigam a existência deste animal chama-no de Giganthopitecus, uma espécie que se considerava extinta a 200.000 anos.
Sabemos que encontrar um cadáver de urso é algo igualmente difícil, mas seria possível que um animal remanescente da megafauna ainda estivesse vivendo nas florestas do norte da América?
Há algum tempo, eu vi um documentário sobre Yetis no History Channel. Neste documentário, um caçador numa distante região remota do Canadá, acessível apenas de hidroavião, teria tido um contato impressionante com um desses animais. O bicho teria balançado a cabana de madeira onde ele dormia de forma que quase a destruiu. No dia seguinte, o caçador construiu com pregos, parafusos e uma tábua velha uma espécie de armadilha. Ele pregou a tábua de baixo para cima e a colocou os espetos de ponta cabeça, perto da janela da cabana. Na noite seguinte, quando o bicho foi repetir o “show”, ele pisou na tábua a soltou um urro que quase matou o caçador do coração. Depoi9s correu para a floresta gritando. Quando o dia amanheceu, a tábua estava repleta de sangue e vestígios de pêlos e carne. Uma equipe do History Channel esteve lá, e levou amostras do material para análise. Durante o período que estiveram, na cabana, a mesma sofreu ataques de pedradas. Pedras enormes foram lançadas na mesma, jogadas da floresta, deixando a equipe assustada. Eles registraram os sons e os barulhos de troncos batendo fortemente contra as árvores. Segundo um caçador que acompanhava o grupo, aquela era a forma de comunicação entre os misteriosos animais. Bater um tronco grosso contra uma árvore. Como o local é muito remoto, os produtores do programa saíram de lá certos de que aquele ataque não era humano, embora não tenham obtido uma evidência concreta de que se tratam de Yetis. Ao que parece, os resultados das amostras obtidas na armadilha não foram conclusivos, apresentando compatibilidade para tecido humano.
Eu não tenho certeza de que exista um animal assim, mas também não duvidaria. Certas regiões do norte da América são ainda extremamente selvagens e inúmeros animais que se julgavam extintos surpreenderam biólogos aparecendo do nada.
Aqui está um vídeo que mostra os sons ouvidos na floresta e muitas fotos estranhas que poderiam indicar a existência da criatura. Certamente que algumas aí são fraudes. Mas seriam todas? Os sons são interessantes e assustadores.



Outro video que mostra um ser assemelhado ao Yeti, (investigadores entrevistados pelo Discovery Channel sugeriram que poderia ser uma fêmea que estaria bebendo água na beira de um rio em Bluff Creek e fugiu quando os dois homens chegaram nos cavalos) é esta famosa filmagem feita em 1967 registrada em película por Roger Patterson e Robert Gimlin:




Este video foi escrutinado por centenas de especialistas de diversas áreas, e embora muitos o considerem uma fraude, até hoje nunca se provou com certeza se ele mostra alguém fantasiado ou uma criatura real.
Outro fato que me causa espécie é que um numero enorme de tribos americanas estabelece em suas lendas a existência de seres grandes e peludos. Inclusive, o temo “Sasquatch” usado para descrever os “Pés grandes” é de origem indígena e significa “homem louco nas florestas”. Em 1840, muito antes que os pés grandes ganhassem qualquer destaque na mídia, o missionário Elkanah Walker escreveu em seu diário informações curiosas sobre essas lendas indígenas:
“Eles acreditam em uma raça de gigantes que habita uma certa montanha a oeste. Ela é coberta por neve perene. As criaturas habitam os picos de neve. Elas caçam e fazem todo seu trabalho à noite. Suas pegadas têm um pé e meio de tamanho. Roubam salmão das redes dos índios e comem o peixe cru como os ursos. Se as pessoas estão acordadas, sempre sabem quando as criaturas estão muito próximas pelo seu forte cheiro que é quase intolerável”. fonte
O assunto permanece envolto em mistério. Certamente este tipo de coisa é um manancial infinito para fraudadores e espertalhões pegarem dinheiro de terceiros, assim, todo cuidado é pouco na hora de se analisar uma evidência extraordinária. Mesmo quando os autores da foto não acreditam no que obtiveram. Mas o fato é: Se este tipo de animal for mesmo real, certamente chegará a hora em que o mundo o descobrirá. A ação do Homem sobre os ecossistemas está cada vez maior. Estamos invadindo de modo progressivo as regiões selvagens e infelizmente mais cedo ou mais tarde chegará a hora em que eles -caso existam – não terão mais onde se esconder.