24 de jan de 2011

Contato - Estamos preparados?

Muitas pessoas perguntam: por que os extraterrestres não se apresentam ostensivamente para a humanidade? O problema é que as pessoas ainda não estão preparadas para esse contato interplanetário. Boa parte da humanidade ainda é racista. Isso evidencia o seguinte: se as pessoas não conseguem conviver bem com os próprios semelhantes, só por causa da cor da pele, como elas conseguirão compreender seres que podem ser muito diferentes do ser humano? Como disse, certa vez, um mestre cheio de sabedoria: "Amemos uns aos outros, pois a melhor maneira de fazermos um contato de amor com os
seres extraterrestres, é fazer primeiro um contato de amor com nós mesmos e com os nossos irmãos terrestres."

No caso de um contato ostensivo com os seres extraterrestres, até já imagino a seguinte cena: uma nave extraterrestre pousa em plena avenida movimentada de uma grande cidade. Em instantes, a multidão de pedestres se apavora perante o desconhecido. Pessoas são pisoteadas, outras gritam histericamente e algumas sofrem ataques cardíacos gerados pelo medo. Militares de diversos países surgiriam rapidamente, de olho nos sistemas de propulsão da nave ou interessados em supostos armamentos extraterrestres. Fanáticos religiosos surgiriam gritando que os extraterrestres são entes diabólicos. Empresários gananciosos vislumbrariam lucros fantásticos com novos produtos de consumo: bonecos de ETs., bonés, camisetas, adesivos, livros, vídeos, refrigerantes, programas de computador e mais um monte de coisas inspiradas nos extraterrestres. Além disso, no dia seguinte, nós já veríamos vários grupos de fanáticos fundarem a "nova religião" dos ETs.

Ou seja, boa parte das pessoas somente evidenciaria a imaturidade do homem terrestre* diante da presença de seres oriundos de outros lugares do universo interdimensional. E o pior: talvez esses seres já saibam disso, pois parecem estar observando a humanidade há muito tempo, de forma não ostensiva, nos bastidores de nossa história, ocultos à nossa percepção limitada aos cinco sentidos convencionais.

Interdimensionalidade - De onde vêm os extraterrestres?
Essa é uma questão muito interessante. Inclusive, há algum tempo postei numa lista de discussão da Internet algumas considerações a respeito. Como elas são pertinentes ao tema e envolvem ponderações não ortodoxas, fora do padrão ufológico clássico (para alguns, até mesmo com toques de misticismo; para outros, parecem reflexões conscienciais sérias e necessárias, sem as quais o tema fica estéril e superficial, só focado na materialidade das coisas), tomo a liberdade de reproduzi-las aqui nesse artigo, como um aporte informal e variado. Vamos lá!

"Alguns de vocês conversaram aqui na lista sobre a verdadeira procedência dos extraterrestres. Alguns opinaram que eles vêm de outros orbes. Outros, de dimensões paralelas. E outros mais, do futuro.

Com o grande volume de avistamentos no mundo inteiro, não há qualquer dúvida de que a Terra é visitada há muito tempo por esses seres.

Com bilhões de galáxias espalhadas pelo Cosmo, só alguém muito limitado acha que só tem vida na Terra. Devem existir no universo bilhões de planetas com humanidades semelhantes e diferentes da nossa, no mesmo nível evolutivo, mais avançadas e mais atrasadas, assim como devem existir bilhões de planetas sem vida também, pelo menos vida do jeito que entendemos.

São bilhões de galáxias, zilhões de dimensões, intrafísicas e extrafísicas, algumas talvez fora do nosso espaço-tempo e muitas possibilidades...

Disso tudo, a única coisa de que tenho certeza é que sabemos muito pouco sobre tudo isso.

Além disso, não podemos esquecer das miríades de galáxias que existem em nosso universo interior. E nem dos zilhões de sorrisos que precisamos externar na multidimensionalidade.

Há universos internos e externos, cheios de estrelas, afetivas e siderais, humanas e divinas, todas dançando na consciência do TODO.

O grande lance de tudo isso é que precisamos manter a mente aberta a todas as possibilidades, principalmente porque não sabemos muito nem de nós mesmos, quanto mais da imensidão cósmica...

De onde vêm os extraterrestreres? De dimensões paralelas? De outros mundos? Do futuro?

Ou talvez, quem sabe, todas essas possibilidades estejam corretas, dependendo das circunstâncias. O que é certo é que eles estão por aqui! E nós também!

Terrestres e extraterrestres, encarnados ou desencarnados, fazemos parte do mesmo TODO. Somos o UM!

Escrevendo essas linhas aqui no meio da madrugada, lembrei-me de um trecho do magnífico "Caibalion", maravilhosa obra hermética do início do século XX, de autoria dos Três Iniciados (Editado no Brasil pela Editora Pensamento):

‘Não deveis cometer o erro de crer que o pequeno mundo que vedes ao redor de vós, a Terra, que é simplesmente um grão de areia em comparação com o Universo, seja o próprio Universo. Existem milhões de mundos semelhantes e maiores. Há milhões e milhões de Universos iguais em existência dentro da Mente Infinita do TODO.

E mesmo no nosso pequeno sistema solar há regiões e planos de vida mais elevados que os nossos, e entes, em comparação aos quais nós, míseros mortais, somos como as viscosas formas viventes que habitam no fundo do oceano, comparadas ao homem. Há entes com poderes e atributos superiores aos que o homem sonhou serem possuído pelos deuses. Não obstante, estes entes foram como vós e ainda inferiores, e com o tempo, vós podeis ser como eles ou superiores a eles; porque, como diz o iluminado, tal é o destino do homem.

A morte não é real, ainda mesmo no sentido relativo; ela é simplesmente o nascimento a uma nova vida, e continuareis a ir sempre de planos elevados de vida a outros mais elevados, por eons e eons de tempo. O Universo é vossa habitação e estudareis os seus mais distantes acessos antes do fim do tempo.

Residis na Mente Infinita do TODO, e as vossas potencialidades e oportunidades são infinitas, mas somente no tempo e no espaço. E no fim do grande Ciclo de eons, o TODO recolherá em si todas as suas criações; porém, vós continuareis alegremente a vossa jornada, porque então querereis preparar-vos para conhecer a Verdade Total da Existência em Unidade com o TODO.

E, quando estiverdes na metade do caminho, estareis calmos e serenos; sois seguros e protegidos pelo Poder Infinito da Mente-Mãe.

Dentro da Mente Pai-Mãe, o filho mortal está na sua morada. Não há nenhum orfão de Pai ou de Mãe no Universo’ - In Caibalion -

Só posso concluir esses escritos citando três toques da sabedoria de Hermes Trismegisto:

1. Medite:Você veste o vestido para descer.
Você tira o vestido para subir!

2. Medite:Você veio de uma estrela.
Está em uma estrela.
E irá para outra estrela.
Pouse suave!
Os mestres orientam!

3. O TODO está em tudo!"
Espero que o dia de um contato interplanetário entre a humanidade
terrestre e outras raças do cosmos esteja bem próximo. Mas que seja um
contato de alto nível.
Concluo esses escritos com uma pequena reflexão consciencial sobre quem
são os verdadeiros alienígenas.


Alienígenas
Luzes cruzam os céus.
Viajores cósmicos em ação.
Esses seres são chamados de alienígenas.
Porém, alienígenas somos nós.
Somos estranhos para nós mesmos.
Aliás, nem sabemos quem somos na verdade.
Sabemos apenas o nosso próprio nome.
Somos espíritos encaixados na carne,
Porém pensamos e agimos como carne sem espírito!

Paz e luz a todos os leitores, terrestres e extrarrestres.

- Nota:
* Essa imaturidade da humanidade, face à possível presença extraterrestre, me faz lembrar de uma reflexão aguda do meu amigo Mauricio Santini, jornalista, poeta e escritor, onde ele diz o seguinte:

"Não se discute mais acerca da existência de orbes extraterrestes povoados. As inteligências extraplanetárias já são realidades quase palpáveis nas pautas das discussões humanas. A incidência e a propaganda dos irmãos siderais atestam e comprovam seus planos de expansão na nossa esfera. O intercâmbio e a comunicação entre a nossa civilização e outros mundos mais avançados já são quase viáveis no nosso contexto. Mas é preciso conter os passos mais estreitos e amortecidos de respeito, para não assustar o "bicho humano", acuado por seus próprios temores.

Atualmente, várias correntes ufológicas, místicas e pseudocientíficas querem abocanhar o filão desse mercado expansivo. Tal divisão demonstra o estágio da incapacidade do homem em unir-se a ideais mais altruístas. Ao invés de estreitar relacionamentos e integrar-se em novas experiências, o egocentrismo ilusório faz provocar injúrias e discórdias pela ilustre pecha de ignorantes especialistas da área, representantes exímios da raça terráquea. A honra de autoproclamar-se "ufólogo" deveria para alguns transmutar-se em "ufanistas" de si mesmos ou "ufólatras" por incapacidade própria!

Muitos entoam a mesma indagação no tocante à possibilidade de naves faraônicas pousarem em plena Avenida Paulista, sobre os braços do Cristo Redentor, na cabeça da Estátua da Liberdade, no ápice da Torre Eiffel ou equilibrar-se no cume da Pirâmide de Queóps. Por que não participam de "talk-shows" televisivos, programas de auditório ou dos mega-espetáculos pelos coliseus do mundo afora? Qual o motivo crucial dessa imaginária antipatia pela nossa coletividade, já que estamos abertos a novas propostas no duro processo da evolução da espécie?

A resposta parte do princípio da nossa obscuridade histórica. O que sabemos nós sobre as sementes plantadas pelas mãos ancestrais dos nossos aliados galáticos ao longo da jornada? Qual a dimensão da colheita professada por estes semeadores de vida e de amor à nossa humanidade?

Por fim, aos que pleiteiam incessantemente esse encontro inusitado, esse contato imediato sem escala, a réplica só pode ser de autoria desses fraternos pensantes irmãos do espaço, que não se cansam de afirmar, com compaixão e sabedoria, a frase mais verdadeira sobre a nossa falsidade: - Quando vocês se encontrarem, nós nos encontraremos!"